Buscar
  • Regina Politi_Pais&Filhos

Birra é o seu filho dizendo: “Não sei lidar com isso sozinho, me ajuda!”

APRENDA A LIDAR COM ESSA FASE COM DICAS SIMPLES


Birras ou a famosa “crise dos 2 anos”! Sim crise, pois está se mudando de etapa de vida.

Antes era apenas um bebê de colo, mas agora não é mais um simples bebê. Já está se tornando uma criança mais independente: sabe andar, falar e ainda contrariar, aprendeu o famoso NÃO, ou seja: “tenho minhas próprias vontades”, “façam o que quero” ou “não vou obedecer”. Não para desafiar os pais, pois neurologicamente não tem esta capacidade cognitiva, mas está evoluindo biopsicossocialmente .

Mesmo entendendo entretanto que a birra é uma manifestação típica do desenvolvimento infantil, não quer dizer que está tudo bem, pois não está! Os pais também terão que evoluir e aprender a lidar com as birras para que seus filhos cresçam e não se tornem crianças birrentas e insuportáveis.


Ou seja, os pais precisam se desenvolver  para poder dar conta das novas etapas de vida dos seus filhos. E é sempre assim, a próxima fase é mais difícil que a anterior, como nos jogos de vídeo-game. Para passar de fase tem que buscar mais competência. Afinal de contas, ninguém nasce sabendo ser pai ou mãe, nem escola tem para esta complexa e difícil  missão: criar seres humanos saudáveis do ponto de vista emocional e relacional.


Existem várias estratégias para se lidar com as birras, desde ignorá-las, tirando o foco, passando pelo abraço, palavras firmes de limites ou nomeando o que a criança está sentindo,  até intervir de forma mais firme na contenção física do comportamento eventualmente violento, que se apresenta. O importante na escolha da melhor estratégia é identificar o que aquela birra, em particular, está comunicando, já que a birra é uma maneira infantil, lógico, da criança se comunicar. Ela não sabe se expressar por completo. Podemos dizer que a birra é uma criança dizendo “não sei lidar com isso sozinha, me ajuda”.

Este entendimento então é importante, pois uma birra pode ser desde sono, fome, desconforto, dor, descontentamento, tédio, mal-estar, frustração, até uma ansiedade ou angustia mais profunda. Pode ser algo pontual ou ter alguma ligação com questões familiares mais sensíveis  que a família esteja vivendo. A criança capta emocionalmente tudo, absorve todo clima psicológico da família, como uma “esponja”.

Enfim, aos pais cabe identificar a birra e agir de acordo e proporcionalmente ao episódio. Neste sentido, é um teste e tanto para os pais: ter auto-controle emocional para discernir, refletir e agir com a devida propriedade. Não é fácil, pois essas birras tiram qualquer um do sério, mas esse é o desafio de ser pai e mãe: aprender a lidar com as próprias emoções, impulsos, contendo-os para mostrar aos filhos que com calma, paciência e conhecimento podemos resolver nossos problemas, e não tendo “chiliques” como eles.

0 visualização

Regina Politi | CRP 06 -17649

  • Ícone cinza LinkedIn
  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram